Versalhes: como é visitar no verão

Lembro como hoje do primeiro passo que dei em direção ao castelo. Era um dia quente e ensolarado do início do verão e, logo que saí da estação e avistei seus portões, foi paixão à primeira vista! Depois fui mais vezes e conto aqui o que verá e como é Versalhes no verão, a melhor época para ir!

Meu primeiro impacto

Pisei no castelo e peguei o audioguia em francês. A música e a narração me faziam penetrar na atmosfera da época. Foi só olhar através da janela que o jardim encheu meus olhos e ouvidos: as fontes ligaram e um som de música clássica se espalhou por todos os lados. E eu ali, de dentro, olhando tudo como uma nobre de séculos atrás, achando que tudo aquilo era pra mim.

img_4258
Os belos corredores repletos de obras de arte. Neste aqui, esculturas de nobres e notáveis.

Versalhes no verão

No verão, Versalhes nos propicia essa surpresa. Aos finais de semana, das 11h às 12 e das 15h30 às 17h, as fontes são ligadas. É o show das águas, com jatos de oito metros de altura, regado a música barroca de Lully, compositor que pertenceu à corte de Luis XIV. Em alguns desses finais de semana, há  o mesmo show à noite, acompanhado de luzes, das 20h30 à 23h, e fogos de artifício, complementados com dança épica e música dentro da sala dos espelhos!

0cb29c4e-f3b4-4e59-b6fd-55c11c3418df
Uma panorâmica dos jardins no final do inverno

Infelizmente, naquele dia a famosa sala dos espelhos – que conheci anos depois, em outra visita – estava em reforma. Mas não tem problema, pois vi aquele espetáculo de Versalhes no verão. E vou te dizer mais: almocei e passei o dia lá, só para ver outro do show que até então eu nunca tinha ouvido falar.

Uma atração obrigatória

Se você estiver na dúvida de colocar ou não Versalhes ou não no seu roteiro, eu digo: você deve! Esse é um da lista dos lugares que todas as pessoas deviam ver pelo menos uma vez na vida.

img_4259
A sala que possibilita a vista do jardim e que fiquei olhando para as fontes.

Eu já fui duas vezes e ainda quero ir mais! Quero ver o The Orangery Nights, com balé e fogos de artifício ao pôr do sol. Também quero ir em um baile de máscaras em que as pessoas se vestem como na época de Luiz XIV. Sim, eles fazem esse tipo de evento!

cea8029b-3156-4f9f-a2cd-15eeb9e3c9c6
A caminhada nos jardins em do Petit Trianon até o palácio

Como chegar à Versalhes

Agora, voltando ao château, Versailles ou Versalhes está situado a 20 km de Paris. É super fácil ir pelo RER (trem urbano) C, pois você pega na estação em Paris em direção a Versailles Rive Gauche. O tíquete, pela atração ser fora da capital, não é o mesmo que o do metrô, contudo, você compra nas maquininhas da estação. Mas não se esqueça de comprar a ida e volta específica para que consiga passar a catraca. Essa é a melhor opção para ir, pois sai bem pertinho do castelo e as demais estações – para quem for pegar o trem mesmo – são um pouquinho mais longe.

As atrações de Versalhes no verão e no inverno

Existem milhares de atrações, mas você não pode deixar de ir ao castelo, aos jardins e ao Grand Trianon – residência de veraneio do rei e local de encontro com amantes – e o Petit Trianon, propriedade da Maria Antonieta, rainha de origem austríaca que foi decaptada na Revolução. Há ainda o domínio de Maria Antonieta, o museu Lambinet, a academia de espetáculos equestres, o teatro de Montansier, o salão de jogos de Paume, a feira e o mercado central de Notre-Dame, além de lojas de antiguidades ao redor do antigo presídio.

A história do Castelo

A história de Versalhes se confunde com a de Luís XIV, conhecido como o rei sol. Após a morte do pai, ele não quis morar em Paris e decidiu fazer do local onde passou bons momentos na infância um grande castelo que concentraria toda a nobreza da França. Com isso, o palácio que construiu virou casa de mais de seis mil pessoas habitando no complexo. Com obras faraônicas e muitos trabalhadores envolvidos, ele teve sucesso no desafio que muitos desaconselharam.

Varesalhes, por estar longe de Paris, apresentava riscos à vida do rei. Mas Luís XIV persistiu e se tornou um dos mais renomados monarcas de toda a história.

Com a Revolução Francesa e as revoltas populares no País, o château foi saqueado e boa parte das mobílias originais se perderam. Versalhes, entretanto, hoje é muito bem restaurado e nos revela os requintes e ostentações de Luiz XIV. Os melhores profissionais da época foram contratados nessa empreitada: o paisagista André Lê Nôtre, o arquiteto Louis Le Vau e o projetista Jules Hardouin-Mansart.

Destaques de Versalhes no verão e no inverno

Jardins

Os jardins que vão até o Grand Canal e vale dedicar bastante tempo a eles. Fontes, estátuas, labirintos… você verá muitas belezas! É possível até alugar um barquinho e navegar, o que pode ser uma delícia para fazer em Versalhes no verão. Ao redor dele também estão restaurantes.

Castelo

Já o castelo… não deixe de curtir muito tudo, principalmente a galeria dos espelhos, onde aconteciam os bailes e local em que foi assinado o Tratado de Versalhes, que marcou o fim da I Guerra, em 1919. Os aposentos reais são bem interessantes, bem como a Capela Real e Galeria das Batalhas (com quadros sobre momentos-chave da história da França.

Chá e almoço

Para quem quiser um almoço requintado no castelo, dentro do palácio agora tem um Salon de thé da maravilhosa rede Angelina. Nos jardins você encontra a Brasserie de la Girandole, o La Flottille e o La Petite Venise. Carrinhos vendem salgados e bebidas.

Informações úteis

Horários

Versalhes abre de terça a domingo. De abril a outubro, funciona das 9h às 18h30; de novembro a março, das 9h às 17h30. Mas os Trianons só abrem a partir das 12h e os jardins das 8h às 20h30 (alta estação) e das 8h às 18h (baixa estação).

Ingressos

As filas são grandes. Tem uma para comprar ingresso e outra para entrar. Se não estiver com Paris Museum Pass – que dá acesso ao castelo, com exceção aos shows noturnos e concertos -, vale comprar antecipado no site e evitar uma das filas. Importante: no site só tem ingresso de valor cheio para os adultos. Em qualquer dessas opções, procure chegar cedinho! Assim terá uma fila de entrada menor e menos gente nos ambientes. O ingresso só para o castelo e jardins custa 18 euros e incluindo o Domínio de Maria Antonieta 20 euros.

Curtiu? Veja outras opções de bate e volta saindo de Paris! Além de castelos como Chantilly, Vincennes, Haut-Koeningsbourg Ramboulliet, falo de cidades como Rouen, onde Joana D’Arc foi capturada e morta, Giverny e os jardins de Monet e muito mais! Quer saber sobre castelos e jardins de outros países? O Ultrapassando Fronteiras tem também! Não deixe de ler aqui sobre AlhambraHeidelberg e muitos outros! Se precisar, selecione pelo país ou coloque os termos na busca do site. Continue acompanhando porque sempre temos muita novidade!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.