Roteiro de viagem à encantadora Praga

Um dos tradicionais destinos do leste europeu – ao lado das praias da Croácia e da imponente Budapeste – é Praga. Basta então só chegar para entender. Existe encanto em toda parte. Minha ideia é, portanto, mostrar para você aqui! Conto aqui a história da cidade, além do que comer, onde se hospedar, como chegar e o que fazer para que seu roteiro de viagem à Praga seja inesquecível!

O que mais amei em Praga: a vista do Castelo para a cidade
O que mais amei em Praga: a vista do Castelo para a cidade

Viajar à Praga não é tão complexo

O dificultador – assim como o ocorre nos outros países fora da zona do Euro – é a moeda. É por isso que, chegando lá, você precisa sacar ou trocar dinheiro. Mas só um pouco! A maior parte dos pagamentos conseguirá fazer com cartão, portanto, mais um fator positivo!

Conto então aqui como foi minha experiência de passar quatro dias e três noites na cidade. Procurei contemplar diversas dicas para que curta o máximo toda a beleza que seus olhos receberão, com muita tranquilidade!

Uma visão histórica geral de Praga

Uma dica para aproveitar todo seu roteiro de viagem à Praga: olhe sempre para cima para ver detalhes dos telhados e janelas
Uma dica para aproveitar todo seu roteiro de viagem à Praga: olhe sempre para cima para ver detalhes dos telhados e janelas

Praga (em checo, Praha) é a capital e a maior cidade da República Tcheca. Foi centro político e cultural da Boêmia e, nos séculos XIV e XV, capital do Sacro Império Romano. Hoje tem mais de um milhão de habitantes e seu centro histórico é Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

O clima, por estar mais ao norte, é um pouco gelado, com temperatura média de 12 graus e neve no inverno, por isso, chega até −20. No verão, contudo, pode atingir 30 nos dias mais quentes.

Achei engraçado encontrar em Malá Strana cadeados como faziam na ponte de Paris

Um dos fatos históricos mais conhecidos relacionados à cidade é a Batalha de Praga, ocorrida em 1757. Foi liderada por Frederico II da Prússia contra Carlo Alessandro de Lorena.

Praga so século XX para cá

Outro evento importante é a chamada Primavera de Praga, um movimento histórico de 1968, ocorrido entre janeiro e agosto. Foi quando subiu ao poder o reformista Alexander Dubcek e, então, a URSS invadiu o país.

Esse foi um marco histórico que trouxe repercussões em todo mundo. E tem uma riqueza na essência, por isso, pesquise o tema! Ele representou a liberação política da Tchecoslováquia. É, portanto, importante para mostrar a força da resistência popular. O resultado foi a divisão do país em dois.

Mais um pouquinho da vista panorâmica de Praga que amei

Com tanta história, Praga tem uma rica arquitetura, que vai da art nouveau ao barroco, gótico, neoclássico e contemporâneo. Ela também é considerada a capital da magia, por ser um dos vértices do triângulo da magia branca (ou triângulo esotérico), em conjunto com Lyon, na França, e Torino, na Itália. Foi então construída de forma que a planta revelasse a abertura do mundo terreno ao divino.

Diferente de outras cidades europeias, como Berlim, Vienna e Londres, Praga não sofreu graves danos durante a Segunda Guerra. É por isso que nos propicia de forma tão forte viajar pelo tempo!

Como chegar em Praga

Praga é servida de uma malha de trens e de aeroporto. Não existem voos diretos do Brasil, mas é possível fazer conexão em cidades como Frankfurt, Munique, Amsterdã, Londres, Madri, Paris e Roma. Para quem quiser ir de trem, é possível se deslocar de Budapeste, da Bratislava e de Viena. Aliás, as paisagens no trajeto do trem são muito bonitas!

Pessoal, as fotos estão péssimas não porque cuidei mal delas! Minha câmera simplesmente morreu na viagem! Foi ficando ruim até não ter mais salvação 🙁

Eu cheguei de trem por Budapeste, na Hungria, e saí da cidade de avião em direção a Amsterdã, na Holanda. Conheço bastante gente que combina esse trio de trem: Budapeste, Praga e Viena. Ou até incluem a Bratislava entre Budapeste e Praga, por ser o meio do caminho.

Para sair e ir ao aeroporto, o ideal é então pegar um táxi. Mas garanta, antes de sair, a contratação no próprio aeroporto ou no hotel. Os taxistas, segundo me informou uma mulher que conheci no trem, costumam enganar os turistas no preço do taxímetro ou dar voltas desnecessárias.

Se chegar ou sair de trem, o metrô une o centro à estação central. Caso chegue sem dinheiro, você pode trocar um pouquinho na própria estação. Mas só um valor pequeno, para os bilhetes, porque o câmbio de lá é ruim. Além disso, o que você fará com bastante dinheiro diferente depois?

O Centro de Praga é totalmente dos turistas! Verá pessoas do mundo todo por todos os lados!

Na entrada no país você não precisará de visto! Estará dentro da União Européia e do Território de Schengen. O visto será o mesmo que você pegará no ingresso de avião no país em que chegará na Europa, ou seja, será válido por 90 dias no total da viagem.

O que colocar no seu roteiro de viagem à Praga

Para quem curte andar a pé, é possível conhecer os principais pontos caminhando. E eu amei fazer isso na cidade! Mas quem tiver um roteiro de viagem à Praga mais curto, vale fechar um tour nos ônibus vermelhos para agilizar. Cabe, contudo, destacar que eles não circulam com muiiiita frequência. Eu não usei, mas não os vi tantas vezes…

Antes de entrar no roteiro em si, é importante então explicar a geografia de Praga. Ele é cortada pelo rio Moldava. De um lado está a Malá Strana e o Castelo de Praga, do outro, a Cidade Velha, o Bairro Judeu e, um pouquinho afastado, a Cidade Nova.

Ah! O rio Moldava e como é tocado pelos lindos prédios e pontes… Ponto obrigatório para seu roteiro de viagem à Praga!

A área histórica ao redor do rio Moldava é chamada de Praga 1, em torno dela, em camadas, ficam as outras regiões. Ou seja, o que você fará ficará mais em Praga 1. Em Praga 2 está a Estação Central e, em Praga 17, portanto, beeem mais longe, o aeroporto.

Praga Velha

Meu roteiro de viagem à Praga começou na Praga Velha, situada pertinho do meu hotel. Essa é a região que surgiu com a fundação da cidade. Um bom para começar o passeio é então a Praça Central, onde está a gracinha do Relógio Astronômico (Orloj), construído em 1410. Ele está colado na antiga Prefeitura, toca com bastante frequência e é muito fofo de ver! Com isso, ali é onde encontrará uma multidão gigantesca de turistas!

O faamoso Orloj. Imperdível!

O relógio, além do horário, traz imagens dos apóstolos, do zodíaco e a posição do sol e da lua. É possível subir a torre dele (ingresso pago) para ver a cidade de cima e observar o funcionamento do orloj.

A praça é rodeada de construções muito bonitas como a Igreja Nossa Senhora Diante de Týn. A região também boa, mas é mais cara e muito turística para comer e beber. Você encontrará uma feirinha de comidas e bebidas típicas e pode ser então uma opção.

Gosto dessa sobreposição de cores, detalhes e estilos de Praga
Gosto dessa sobreposição de cores, detalhes e estilos de Praga

Bairro Judeu

Dentro da Cidade Velha está o Bairro Joseu (Josefov). Até a Segunda Guerra Mundial, foi onde morou a colônia judaica da cidade. Lá estão, portanto, as construções judaicas e, entre elas encontramos uma sinagoga que hoje é o Museu Judaico, com as paredes preenchidas com nome de judeus mortos pelo nazismo. Ao lado de uma das sinagogas fica o cemitério judaico, fundado no século XV.

Existe um combo para o cemitério – que eu não tive o menor interesse de conhecer – e às sinagogas, cujas mais famosas são a Espanhola (a mais recente, de 1868) e a Maisel, construída no século XVI em estilo neo-gótico.

A Cidade Antiga é mesmo super turística! Linda, mas o coração dela não é o pedaço mais tranquilo para se hospedar e comer

O renomado escritor Franz Kafka morou no bairro e então ganhou como uma homenagem uma estátua de bronze bem ao lado da Sinagoga Espanhola. Diferente da época dele, hoje o bairro é bem sofisticado e tem até uma rua chamada Parizska, portanto, repleta de lojas de marcas.

Ponte Carlos

Saindo do bairro judeu, desci para o rio, onde caminhei até a Ponte Carlos – Karluv Most ou Charles Bridge –, certamente o ponto mais fotografado de Praga! Vai ser difícil você conseguir tirar uma foto sem ninguém ali, por isso, uma dica pode ser ir bem cedinho, antes da multidão chegar, e quem sabe pegar o sol nascer! Mas veja que não foi isso que fiz! 🙁

Prepare-se para uma multidão na Ponte Carlos

A ponte, com mais de 500 metros, foi construída entre os séculos XIV e XV para ligar a Cidade Antiga à Cidade Pequena. A arquitetura é gótica e ela possui 30 estátuas barrocas e duas torres que são ótimas para ver um visual panorâmico! Portanto, é um dos top 5 que devem estar no seu roteiro de viagem à Praga!

Uma das estátuas, a de São João Nepomuceno, é conhecida pela crença de realizar desejos se colocar a mão no brasão. Não gosto de contribuir para o desgate de obras de arte, por isso, nem testei!

Olhe só os detalhes da Ponte Carlos! Se quiser ver ela com calma, precisa chegar muito cedo! Outro ponto obrigatório no seu roteiro de viagem à Praga!

Castelo de Praga e Malá Strana

Da ponte segui subindo ao Castelo de Praga, um conjunto medieval com muitos pontos turísticos e ruelas, cercado de muralhas. Você pode dedicar bastante tempo ali, pois a região é maravilhosa, a vista incrível e a lista de atrações enorme! 

O charme e as cores da Malá Strana

Uma delas é a Catedral de São Vitor, outra o Palácio Real e ainda tem a Basílica de São Jorge e a Capela de Santa Cruz.  Também podemos ver o Monastério Strahov, com uma antiga biblioteca e um jardim, e a Torre Daliborka. A Rua de Ouro (Golden Lane), onde moravam os trabalhadores do castelo, é então outro lugar bem bonitinho.

Bem, nem preciso dizer que fiquei nos mirantes só olhando a vista por horas!

Ao pé do castelo está o Malá Strana, um bairro repleto de casinhas lindas, como as de boneca ou de conto de fadas, cheio de marcas medievais. Você precisa então colocar no seu roteiro de viagem à Praga!

Rio Vltava (Moldava)

Saindo do Castelo e de Malá Strana não deixe de considerar no roteiro de viagem à Praga passear pelo rio! Um dos cartões postais da cidade é a imagem dos cisnes que ficam nele, cercados pelas belas construções, o castelo e a ponte Carlos. É, portanto, um local super instagramado!

Passeios de barco: uma opção para quem quer ver Praga de um ângulo diferente

Do rio saem passeios de barco que podem ser então uma boa pedida para quem for ficar mais de dois dias na cidade. Eu sou suspeita, pois adoro navegar em cidades que ficam à beira de rios e ver os ângulos diferentes que se tem de dentro de barcos. Como em Paris, alguns desses tours podem incluir almoços ou jantares, o que pode dar um clima bem romântico a uma viagem a dois! Entre algumas das empresas que vi oferecendo o passeio estão a Prague Venice e a Prague Boats.

Cidade Nova

Pelo rio você pode então se aproximar à Cidade Nova. Ali você encontrará a Casa Dançante (Tancící dum), um prédio comercial projetado pelos arquitetos Vlado Miluniće e Frank Gehryque. É, portanto, um ícone da Praga contemporânea e imperdível!

A famosa Casa Dançante

Nessa região está a Praça Venceslau, onde você encontrará o Museu Nacional, que um dia foi um mercado de cavalos. Diferente, não é? Aliás, Praga tem inúmeros museus e poucos são explorados pela multidão que visita a cidade. Um deles é o Museu Kafka, sobre a vida e obra do escritor.

A marca de Kafka está em toda a cidade, inclusive em uma escultura do artista tcheco David Cerny que traz o busto dele em tamanho gigante. A estátua se movimenta, como uma bela metamorfose abordada no mais famoso livro do autor. São 11 metros de altura, divididas em diversas camadas, ou seja, uma proposta bem diferente! Ela está no Quadrio Business Centre.

Em Praga, além das janelas e telhados, olhe para os lindos lustres e esculturas que adornam os prédios!

Torre e Parque Petrin

Se tiver um tempinho a mais, você pode escolher uma das torres para subir e ver a vista da cidade de cima. Uma delas é a Petrin, uma torre de TV que fica dentro do Parque Petrin, situado ao lado da Malá Strana. Mas como é um trajeto bem aberto e em subida, foque se não estiver cansado e também se o tempo estiver bom e quentinho. Um furnicular leva até o cume da colina onde está o parque, reduzindo bem a caminhada. Aliás, vale dizer que o blog Sunday Cooks tem um post explicando super como chegar até lá e ver o pôr do sol!

Muro John Lennon

Esse é um outro cartão postal de Praga. Acabei não passando por ele por ter dedicado bastante tempo às ruazinhas da cidade. Trata-se de um muro dedicado a John Lennon. Foi pintado após a morte do artista, nos anos 80, e se tornou um símbolo de liberdade, contra a repressão.Dizem que, até 1989, no fim da Guerra Fria, era só apagarem algum pedaço que alguém ia lá ocupar o espaço com outro elemento. Até hoje ele está em movimento, com novas intervenções todos os dias.

Um outro ângulo da Ponte Carlos

Que comidinhas incluir no seu roteiro de viagem à Praga

A República Tcheca tem cervejas bastante famosas, quase como a Bélgica. A grande diferença é que elas são bem mais baratas e, na maioria das vezes, com menos malte. Não deixe de listar elas nos seu roteiro de viagem à Praga!

No Parque Letná – um lugar ótimo para passear, por sinal – existem beer gartens, como na Alemanha. Se for em dias mais quentinhos, vale focar na cerveja ali! Existem também alguns tours de degustação de cervejas. O legal é que de cima do Parque Letná vemos o rio Vltava e as pontes.

Na parte mais alta do Castelo de Praga

O que me surpreendeu na cidade foi a infinidade de bolos, bolachas e docinhos. Assim como em Paris ou em Milão, não deixe de colocar na lista confeitaria. Uma das tradicionais é Erhartova Curkrarna.

Uma das comidinhas de rua típicas é o trdelník, uma massa enroladinha e queimada à brasa, em formato de cono. É recheado com diferentes sabores, inclusive sorvete. Outra iguaria gostosa é o smažený sýr, um queijo empanado acompanhado do típido molho tártaro local e batata fria.

Nos restaurantes você pode procurar também o goulash, uma carne preparada ao molho de cerveja, mas bem gordurosa para o paladar brasileiro. Vem acompanhada de sopa de beterraba ou frios.

Um pouquinho mais desse bairro charmoso chamado Malé Strana

Onde se hospedar na sua viagem à Praga

A rede hoteleira de Praga é ampla e pode parecer difícil escolher um hotel. Ainda tem o problema da Europa que encontramos muitos locais sem reforma e deteriorados! Mas, como é um destino bem mais em conta que as outras capitais, é aqui que vale investir numa hospedagem mais confortável! Os valores serão bem menores que, por exemplo, em Paris, Londres, Roma ou Berlim, mas um pouco mais caro que em Budapeste.

Como eu não gosto de ficar dentro de centros históricos em ruas muito cheias de turistas e barulho, escolhi o Michelangelo Grand Hotel, um cinco estrelas ótimo que fica na Praga 1 a entre cinco e 15 minutos a pé das principais atrações. Além disso, todos do staff foram muito atenciosos, o quarto era bom e os lençóis bem gostosos! Estava também ao lado de uma estação de metrô.

O quarto do Michelangelo Grand Hotel. Fonte: Booking
O quarto do Michelangelo Grand Hotel | Foto: Booking

Se busca hotéis boutique com uma pegada mais de design contemporâneo, um hotel que está bem bacana e avaliei me hospedar é o Pytloun Boutique Hotel Prague. É super estiloso e também está nesse conceito de ficar na Praga 1, perto do metrô e fora do barulho da multidão de turistas.

O charmoso bar do Pytloun Boutique Hotel de Praga. Foto: Booking

Está indo para Praga? Não deixe de combinar com Budapeste! Confira o post sobre esse destino magnífico que, na minha opinião, quem curte viagem deveria ir ao menos uma vez na vida!

E peço desculpas pela qualidade das imagens. Como comentei a minha câmera, que eu amava, simplesmente começou a apresentar falhas ao longo dessa viagem e, em Praga, ela deu os últimos suspiros. 🙁

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.