Castelo de Amboise, Vale do Loire: viagem com vinho, jardim e Leonardo Da Vinci

Amboise é uma cidade do Vale do Loire a 100km de Orléans, 30km de Blois e de Tours e 18km de Chenonceau. Hoje é uma pequena vila turística, mas já foi residência da corte real francesa no auge do Renascimento, época de Carlos VIII e François I, e tem, portanto, um belíssimo castelo! Uma informação super interessante é que inúmeros intelectuais e artistas se hospedaram no Castelo de Amboise a convite dos reis. Um deles foi Leonardo da Vinci, que lá faleceu. Aliás, o artista está até hoje enterrado na capela do castelo. Confira aqui várias dicas práticas para sua viagem à Amboise, no Vale do Loire! Saiba como chegar e o que ver!

Como viajar à Amboise, no Vale do Loire

A minha viagem à Amboise, no Vale do Loire, foi logo após passar por Blois, quando estava hospedada em Orléans. Foi muito fácil chegar. Estava de trem e essa parada fica, para quem sai de Orléans, depois de Blois. Como o custo do trecho é por distância, a compra de dois tíquetes (Orléans-Blois e Blois-Amboise) foi quase o preço de um bilhete do trajeto completo (Orléans-Amboise). Gastei então, ao todo, para ir e voltar para o hotel, cerca de 40 euros.

Catedral de Orléans
Catedral de Orléans, cidade onde fiz base no Vale do Loire

Lógico que visitar de carro château a château e ver as estradas é muito gostoso. Eu não tinha, contudo, tempo. Estava também há quase um mês viajando. Eu queria, portanto, naquele momento, praticidade. Assim, o que gastei valeu muito em relação ao aluguel de carro e eu não precisei me preocupar com caminhos, combustível nem estacionamento. Foi então muito prático!

Deslocamentos de Amboise dentro do Vale do Loire

A escolha por Amboise depois de Blois foi justamente pela facilidade de acesso de trem. De Blois é possível visitar Chambord, Cheverny e, portanto, o próprio castelo de Blois. Já Chambord demanda ir de carro ou pegar um ônibus especial (só de abril a agosto e eu fui em março), ônibus comum (saída às 12h29 e retorno às 17h10, o que não resolvia meu problema) ou táxi. Para ir à Cheverny é quase igual, mas a volta é ônibus comum é às 18h47.

O Loire cortando Orléans
O Loire cortando Orléans

Na região tem outros castelos famosos, entre eles Chenonceau, Langeais, Villandry e Azay le Rideau. Em Chenonceau, Langeais e Azay le Rideau têm trem, mas a distância até Orléans é grande.

Já Villandry, também mais distante, tem ônibus mais frequente só durante o verão. Então escolhi Amboise e deixei os demais para uma próxima viagem, que com certeza farei!

Como ir da estação até o castelo de Amboise

A estação de Amboise é situada a uns 2km da entrada do château. Uma placa ao lado de fora sinalizava o sentido para o castelo. Andei por uma rua mais comprida até fazer uma curva e chegar a uma ponte que passa em cima do rio. De lá eu pude então avistar o chatêau tão aguardado aparecer.

A encantadora Amboise com seu relógio antigo
A encantadora Amboise com seu relógio antigo

Fui seguindo a imagem maravilhosa, quase uma miragem pra mim, até chegar num belo vilarejo medieval.

O que ver na sua viagem à Amboise, no Vale do Loire

De todas pequenas cidades do Renascimento francês que fui, essa é a mais delicada e conservada. Cada rua, casa e detalhe foram minuciosamente criados numa harmoniosa composição.

Curti essa visão e aproveitei para comer na rua em frente ao castelo, onde existem diversos restaurantes. Depois de uma boa refeição e um vinho local muito bom, caminhei para dentro das muralhas do castelo.

A vista do castelo de Amboise para o Loire
A vista do castelo de Amboise para o Loire

Um longo e conservadíssimo túnel me transportou no tempo, até me levar para os jardins. Eles não são tão grandes quanto os de Versalhes, é lógico, mas tem um encanto especial pela vegetação. Ela é verdinha e colorida, mesmo no inverno!

Aproveitei então para andar bastante por ali, olhar a linda vista do rio que se tem de lá, percebendo como o local foi especialmente escolhido para a construção.

Depois fui até a cripta, situada na área externa, onde está o túmulo do Leonardo Da Vinci e segui para o interior castelo. Uma coleção muito bonita de mobílias e ambientes está preservada no interior.

Jardins verdes e floridos mesmo no inverno delineando o castelo e a capela, com o rio ao fundo
Jardins verdes e floridos mesmo no inverno delineando o castelo e a capela, com o rio ao fundo

Finalmente eu tinha encontrado um castelo com um museu e ambientação tão boa como a de Chantilly! Testemoniamos ali o refinamento artístico do início do Renascimento francês, prolongado pela visão, através das janelas, que temos dos jardins. Saí tão feliz e satisfeita dessa visita que tive de parar para tomar outro vinho no encantador centro!

Castelo Clos Lucé

Para quem quer ver mais além do Castelo de Amboise e do centro, pertinho do chatêau está outro palácio, o Clos Lucé, situado no Parque Leonardo Da Vinci. Lá existe um acervo bem voltado à história do Da Vinci e você poderá ver o quarto, o ateliê e diversas das invenções do artista. É uma atração que os turistas pouco conhecem, mas que vale super para quem gosta e quer se aprofundar na história e no trabalho dele. A arquitetura e os pormenores da história da construção também são interessantes, já que o castelo, do final do século XV, foi dado por Carlos VIII para a Ana da Bretanha.

Onde se hospedar em Amboise

Existem algumas opções na cidade, mas a maioria dos visitantes do Vale do Loire opta por ficar em Tours ou em Orléans.

Para mais informações sobre o castelo, inclusive sobre os horários e compras de tíquetes, acesse o site oficial da atração. O portal está bem completinho e em diversas línguas, inclusive em português do Brasil.

Aproveito para convidar você para se inscrever em nosso mailing VIP para receber nossos newsletters, e-books e conteúdos exclusivos! Basta então preencher o formulário que está aqui. Não deixe de conferir também o perfil do Ultrapassando Fronteiras no FaceInsta e Pinterest!

Roteiro de viagem a Amboise, no Vale do Loire, França

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.