Freiburg im Breisgau, a cidade sustentável cercada pela floresta negra

Freiburg im Breisgau, ou Friburgo em Brisgóvia, na Alemanha – não se confunda com a cidade suíça ou a brasileira de mesmo nome 🙂 -, é conhecida por estar situada na famosa Floresta Negra, uma região de mata densa e pinheiros em que Chapeuzinho Vermelho foi surpreendida pelo lobo mau. É uma típica cidade medieval alemã bastante impactada pela Segunda Guerra Mundial, mas que teve seu charme preservado.

O charme da porta e do relógio de Friburg
O charme da porta e do relógio de Freiburg im Breisgau

No Centro, encontramos uma arquitetura típica da rota romântica alemã, mas com toques do que vemos na região francesa da Alsácia e na cidade suíça de Basel, que estão bem pertinho! Entre os destaques está a torre da foto, que adorna a principal avenida cidade. Fora da região central, uma arquitetura ultra moderna se apresenta e  explica o motive de ser uma das cidades com as mais avançadas práticas de sustentabilidade, com a utilização de biogás, de uma central solar, e uma hidrelétrica, além de ter inúmeros prédios públicos que utilizam energias alternativas.

Ruelas do centro antigo de Friburg
Ruelas do centro antigo de Freiburg im Breisgau

Freiburg im Breisgau foi fundada em 1120 pelos condes Von Zähringen e hoje faz parte de Baden-Wurttemberg. As suas antigas bächle, ou valetas, e foram criadas para apagar incêndios. Vemos, nos nomes de ruas e de prédios, bastante influência do catolicismo, por mais que a Alemanha, em especial, essa região em que Friburgo se situa tenha vivido forte influência da Reforma Protestante.

A beleza dos adorno dos prédios de Friburg
A beleza dos adorno dos prédios de Freiburg im Breisgau

Escolhi essa cidade para passar uma tarde de sábado. De Mulhouse, na Alsácia, onde eu estava morando, é possível ir até Freiburg im Breisgau em trem. São pouquíssimas opções de horário e a única que viabiliza passar o dia é a das 8h da manhã, pois depois só conseguimos ir às 16h. Então acordei cedinho, numa manhã de início de outono (ainda numa época em que a temperatura mínima era 10 graus), e peguei o trem pequenino de um único vagão! Cheguei em menos de uma hora.

Flanando pelas ruas de Fribourg
Flanando pelas ruas de Freiburg im Breisgau

Saindo da estação, foi muito muito fácil chegar ao centro. Peguei a primeira avenida que saia em frente dela, andei uma ou duas quadras, passando em frente a um belo casarão cercado de vinhedos e já cheguei na parte central que é fechada para carros!

De uma ponte, vemos o rio e o parque que dão mais beleza à Friburg
De uma ponte, vemos o rio e o parque que dão mais beleza à Freiburg im Breisgau

Foi só pisar nesse pedacinho que fiquei encantada com Friburgo em Brigóvia. Vi casas lindinhas, todas adornadas. Deparei-me também com um astral especial. A cidade tem um encanto de ser universitária e turística então nos deparamos com inúmeros jovens e muita magia em todas as ruas. Freiburg fala por meio de seus músicos espalhados em cada uma das quadras e pelo sorriso dos jovens. Ela também sorri, dança, pula e nos faz bailar. Convida-nos a entrar em suas docerias, bares, restaurantes, livrarias, lojas e apreciar o movimento que têm.

A catedral de Fribourg, em reforma, e a sua feira de final de semana
A catedral de Freiburg im Breisgau em reforma e a sua feira de final de semana

Sob efeito dessa atmosfera, entrei em cada uma das ruas do centro antigo e desvendei seu comércio, não com o objetivo de comprar, mas de encher os olhos com o que de específico ali tinha. O que procurei, contudo, foi a famosa torta (ou bolo, para os paulistas) floresta negra, criada na região. Ela tem um gostinho da minha infância, numa época em que era a sobremesa da moda! Encontrei apenas pedaços gigantes, que serviriam três pessoas do meu tamanho, então descartei a ideia.

A doceria Greiner, em Fribourg
A doceria Gmeiner, em Freiburg im Breisgau

Nesses trajetos de exploração, deparei-me com a Gmeiner, uma doceria de 1898 onde eu sentei para um capuccino acompanhado de um docinho. Também encontrei a catedral, concluída no século XVI, em estilo gótico. Na frente dela está a Münsterplatz, uma praça simpática que abriga feiras nos finais de semana, cercada por casas de períodos distintos. Entre elas está a Kaufhaus, do século XVI e onde aconteciam as reuniões de mercadores.

A vista em cima do Schlossberg, em Fribourg
A vista em cima do Schlossberg, em Freiburg im Breisgau

Depois dessa caminhada, segui ao sentido sul, passando perto da universidade e do rio, margeado por um parque e uma ciclovia. Depois voltei mais para o centro e coloquei no GPS o nome do monte do castelo, o Schlossberg. O caminho é fácil. A subida é íngreme, mas não muito longa. É possível também ir por um bondinho ou ainda ampliar o ângulo de visão subindo em uma torre.

Um pouco mais da vista em cima do Schlossberg, em Fribourg
Um pouco mais da vista em cima do Schlossberg, em Freiburg im Breisgau

De Schlossberg se tem uma vista incrível da cidade e da floresta negra. Um restaurante e um bar típico alemão estão lá em cima. Sentei então em uma das mesinhas situadas em baixo de árvores, bem numa ponta onde se tem uma vista maravilhosa, para comer um currywurst gigante acompanhado de batata frita e cerveja. Só nesse trecho, se quiser desvendar as trilhas e diferentes partes do monte, é possível passar um bom tempo. Também é bem comum ver pessoas fazendo piquenique por lá! Dica a dica!

Onde eu sentei para comer e tomar cerveja no Scholossberg de Fribourg
Onde eu sentei para comer e tomar cerveja no Scholossberg de Freiburg im Breisgau

Uma manhã e uma tarde foram suficientes para fazer tudo o que eu queria, com calma. Depois desse deleite, voltei, por volta das 16h, no último trem para Mulhouse, com o astral renovado pela energia da cidade, pela Floresta Negra e a gigante cerveja.

Existem algumas atividades e atrações que não fiz, mas muitos me recomendaram. Um delas é a visita à Zum Schönen Eck, uma casa de 1761, que hoje abriga o Museu de História da Cidade. Um outro lugar é a Alte Wacheuma construção linda que era endereço da guarda e hoje é onde está uma casa de vinhos, com uma variedade interessante de produtos locais. É um bom endereço para encontrar vinhos do Vale do Reno.

Como chegar à Freiburg? O aeroporto mais próximo é o EuroAirport, que atende também Mulhouse, na França, e Basel, na Suíça. As duas cidades que fazem fronteira tripla oferecem acesso para lá de trem. Pela Alemanha, Offenbourg e Baden Baden também estão conectadas a ela por uma ferrovia.