Bruxelas: uma cidade em que nada é óbvio

Estive em Bruxelas em uma viagem que fiz com a minha afilhada. Saímos de Paris e depois partimos de lá para Luxemburgo. Ficamos hospedadas uma semana na capital da Bélgica e de lá fizemos diversas viagens deliciosas pelo interior. Como nem eu nem ela conhecíamos nenhuma cidade do país, desvendamos a região juntas! E foi ótimo porque foi cheio de surpresas!

Uma das ruas que dá acesso à Grote Makt de Bruxelas
Uma das ruas que dá acesso à Grote Makt de Bruxelas

Bruxelas é uma cidade um pouco ofuscada pelas capitais vizinhas. Amsterdã e Paris são cidades bem tradicionais no turismo, mas ela não. Ela não tem o glamour de Paris nem a graciosidade dos canais de Amsterdã. O charme está em pequenos detalhes que, se você fizer um bom planejamento, consegue rapidinho conhecer todos eles! Eu diria que em dois dias.

Tudo começa numa bela praça, a Grote Markt, o lugar mais bonito da cidade. É m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o! Se tiver poucas horas, foque lá! Sabe aquele tapete de flores que vemos em fotos? É feito nesse lugar! Essa praça, hoje Patrimônio Mundial da Unesco, era onde, no século XI, ficava um mercado e, ao longo dos séculos, foi ganhando belos prédios, com diferentes estilos arquitetônicos, entre eles o gótico, barroco, neogótico e clássico. É praticamente uma aula de arquitetura e arte a céu aberto! Está ali a Prefeitura (Hôtel de Ville), do século XV e a Casa do Rei (Maison du Roi), também daquela época e que abriga o Museu de Bruxelas.

180 graus nos detalhes da Grote Markt de Bruxelas
180 graus nos detalhes da Grote Markt de Bruxelas

Ali na Grote Markt você também encontrará o principal ícone da cidade! Não se assustem pois é o Menneken Pis, uma fonte que um menininho está fazendo xixi. Eu sei, é bizarro e nem sei o motivo de ter ficado tão célebre, mas é assim… em Bruxelas nada é óbvio…

Na região você encontrará diversas lojas de chocolates, como a Godiva e a La Belgique Gourmande. Como o chocolate Belga um dos mais famosos da cidade, não deixe de experimentar! Aliás, o único que está no mesmo patamar que o Suíço.

Mais detalhes da imponência das construções da Grote Makt de Bruxelas
Mais detalhes da imponência das construções da Grote Makt de Bruxelas

Também verá ali bares para experimentar uma outra especialidade local: a cerveja. Como as cervejas belgas são as minhas favoritas, foi um deleite cada vez que eu abria uma garrafinha ou recebia um copo de chopp. Também não deixei de comprar cerveja no supermercado e levar para o hotel… Entre os mais famosos bares está o Delirium, situado na rua de trás da Grote Makt.

Ainda sobre alimentação, os belgas dizem que a batata frita foi inventada por lá. É por isso que uma série de barraquinhas vendem essa delícia calórica e também os maravilhosos waffles (gofre) belga. Uma perdição! Vou te contar que ali só comi bobagem, incluindo ótimos hambúrgueres e os famosos moules-frites (mexilhões com fritas).

landmark cloudy building brussels
O Atomium. Photo by Jarosław Miś on Pexels.com

Bruxelas não é só uma cidade de gordices. É também uma cidade politicamente muito importante para a União Europeia. É sede do Conselho Europeu e da Organização do Tratado Norte (OTAN). Os prédios públicos já são uma bela atração, sem contar o Palácio Real de Bruxelas, aberto ao público das 10h30 às 16h30 e situado em frente ao Palácio da Nação, sede do Parlamento Belga.

Digamos que a Torre Eiffel da cidade é uma molécula gigante, o Atomium, construído em 58 para a Expo daquele ano. Ele tem 103 metros de altura e representa um cristal elementar de ferro ampliado 165 milhões de vezes. Tubos ligam nove partes, formando oito vértices. Ao lado está a Mini Europa, um parque que tem uma maquete de todas as principais construções europeias. Eu confesso que nenhum dos dois me interessou, por isso, nem fomos até lá.

Centre Belge de la bande desinée
Centre belge de la bande desinée

Com relação aos museus…. como é o berço do Tin Tin e dos Smurfs, a cidade tem o museu do desenho animado (Centre belge de la bande desinée). Fomos lá e é até interessante, mas eu esperava um museu maior e mais interativo.

Outro museu famoso é BOZAR (Belas Artes), com um bom acervo dos flamencos Bosch e Rubens. Ele está situado numa região bem bonita dedicada a museus (Quartier des Arts). Por ali está o Musée des Instruments de Musique e o Musée BELvue.

Detalhe dos prédios do Quartier des Arts
Detalhe dos prédios do Quartier des Arts

Mas onde me encantei naquele pedaço foi no Museu Magritte. O acervo é maravilhoso, a curadoria e instalações e iluminação impecáveis e ainda tem uma coleção de obras dos surrealistas do século XX. Foi o melhor museu dedicado a um único artista que já fui. É melhor que a Fundação Joan Miró (Barcelona), o Museu Marmottan Monet (Paris), o Museu Van Gogh (Amsterdã) e também que o Museu Picasso (Paris). Ele só não é o melhor passeio – não digo melhor museu, mas passeio – em um museu dedicado a um único artista, pois o Museu Rodin (Paris) está numa casa maravilhosa em que esse escultor viveu.

A deliciosa praça do Quartier des Arts (Mont des Arts)
A deliciosa praça do Quartier des Arts (Mont des Arts)

Foi muito fácil chegar e nos deslocar em Bruxelas. Fomos num trem de rápida velocidade, o Thallys, que faz o trajeto Paris-Bruxelas em menos de 1h30. Como comprei as passagens com antecedência, o custo do tíquete foi de apenas 29 euros. Chegando na Estação Central, pegamos o metrô e rapidinho chegamos ao nosso hotel, que estava a uma quadra do metrô Rogier.

Não recomendo ficar hospedado nessa região (metrô Rogier) porque, apesar de ter muitos hotéis e escritórios, é uma área com muita prostituição. Sem contar que quase nenhum restaurante do entorno fica aberto a noite, tem bastante morador de rua e dá um pouquinho de medo, mesmo pra alguém como eu que já trabalhou no Centrão de São Paulo e já viu de tudo…

O deslocamento na cidade é fácil e fizemos tudo a pé. O que sugiro é que se for fazer, como nós, pequenas viagens de trem, opte por ficar perto de alguma estação, pois facilita bastante.

Mais interessante do que visitar a capital, foram as viagens de bate e volta de trem que fizemos pelo interior: Brugges, Antuérpia, Dinant, Namur e Gent. Mas isso eu conto em outros posts! Clique e confira!