Colmar e os encantos da Pequena Veneza

Existem alguns lugares que não fazem parte dos roteiros tradicionais e que você não pode deixar de ver ao menos uma vez na vida. São aqueles belíssimos, inesquecíveis, cenários de filme. São exatamente os locais que acabaram inspirando imagens magníficas da ficção. Um desses lugarzinhos é a Alsácia, na França. Colmar é a cidade turística mais famosa e a que reúne o que a região tem de melhor: a arquitetura, as paisagens, a gastronomia e os vinhos. Quem assistiu a Bela e a Fera entenderá ao reconhecer as ruelas e casinhas medievais presentes nessa película.

img_3988.jpg
Colmar, uma cidade de conto de fadas. Inspriração para o filme A Bela e a Fera.

Colmar é uma cidade vizinha de Mulhouse, onde moro, e está a 30 km daqui. A distância é de quase 400 km de Paris. Aliás, está na fronteira, portanto, muito mais próxima da Alemanha e da Suíça do que da capital francesa. Esse, somado ao fato de que já foi território alemão, é um dos motivos dessa ser uma região peculiar. A arquitetura, os costumes e a gastronomia têm elementos também germânicos.

A arquitetura mescla o neoclássico francês às fofas casas alemãs em enxaimel, aquele tipo de construção com estrutura de madeiras encaixadas entre si e que são preenchidas com tijolos ou taipa. Toda essa beleza é rodeada, em algumas ruas, por pequenos canais, o que conferiu a esse pedaço o nome de Petit Venize (Pequena Veneza).

Petit Venize de Colmar
Petit Venize de Colmar na primavera

A gastronomia traz o chucrute e o foie gas, nascido na Alsácia, além das flammekueches (tortas que parecem muito uma pizza de massa fina), dos baeckeoffes (ensopado de carne com batatas) e muitos doces deliciosos. Tudo isso regado a ótimos vinhos locais, já que na região existem diversas vinícolas excelentes.

img_4304.jpg
As tortas flambadas que parecem pizza e são destaque nos restaurantes da cidade

Deu água na boca, né? Além de diversos restaurantes prestigiados ou não com as estrelas Michelin, você pode conferir os sabores alsacianos no Mercado Central (Marché Couvert), onde é possível sentar numa varanda com vista para um dos canais.

Marché Couvert de Colmar e a vista da varanda para o canal
Marché Couvert de Colmar e a vista da varanda para o canal. No final da tarde, às 18h, ele fecha. Aos domingos está aberto somente até as 14h.

Passear de barco pelos canais é uma vivência bem interessante também. Eles passam na porta de algumas casas e ao longo do trajeto é possível sentir um pouco do que é viver por lá. O ingresso custa apenas 6 euros por pessoa. Na temporada costuma ter fila para pegar.

Igreja de Saint Martin, em Colmar
Igreja de Saint Martin, em Colmar

Como vou à Colmar de trem, minha visão da cidade começa com a Igreja de Saint Martin, construída no século XIII. Depois a Maison Pfister, um dos símbolos de Colmar. A Maison des Tetes, é outro prédio famoso, com esculturas de cabeças de demônios e querubins, e hoje abriga um hotel.

Maison Pfister, uma das construções mais famosas de Colmar
Maison Pfister, uma das construções mais famosas de Colmar

A minha visita aconteceu em abril, na festa da primavera. A cidade estava repleta de banquinhas com produtos locais, além de animais em exposição, o que achei bem esquisito, por sinal. Em outubro, com o fim da colheita da uva, eles fazem uma festa do vinho. Mas é no final do ano que ocorre a celebração mais famosa: a feira de Natal. Duas semanas depois, no feriado de 1o de maio, eu já estava de volta para apresentar a cidade ao meu namorado! Mas certamente quero ver na época de Natal!

A feira da primavera em Colmar (Fête du Printemps)
A feira da primavera em Colmar (Fête du Printemps)

Para quem curte museus, a grande atração é o Bartholdi, situado onde foi a casa do escultor Auguste Bartholdi, que criou a Estátua da Liberdade.

img_4642
Musée Bartoldi, a casa onde morou o escultor da Estátua da Liberdade está repleto de belas obras do artista nascido em Colmar

Outra atração é o Museu d’Unterlinden, com diversos tipos de obras, mas especialmente interessante pela arte da Idade Média Alta e do período do Renascimento.

IMG_3983
Um trem turístico facilita a visitação com crianças ou pessoas com pouca mobilidade

Como chegar em Colmar? Você pode ir de carro partindo de grandes cidades como Paris e Frankfurt, mas os aeroportos mais próximos são de Estrasburgo e o EuroAiport. Trens partindo de BaselMulhouse e Estrasburgo passam por lá todos os dias e é possível fazer num bate e volta.

Se estiver fazendo a rota do vinho da Alsácia, esticando de outra viagem ou se quiser explorar mais a região, Colmar pode servir de base. Só é preciso ter paciência para estacionar na região do Centro, pois é bem corrida. Muitas vezes é melhor procurar uma vaga a uns quarteirões de distância  e evitar ficar um tempão tentando encontrar um lugarzinho pro carro.

Recomendo reservar um tempinho maior para visitar a Alsácia com calma e desfrutar de todos os prazeres que ela tem a oferecer! Colmar é a mais famosa e o destino favorito dos franceses. Outras cidades como Eguisheim (bem pequenina e fofa, eleita em 2003 a mais bela cidade da França), Kaysersberg (a mais bela na relação cidade-natureza), Ribeauvillé (bem turística e movimentada, como Colmar) e Riquewihr (a minha favorita) são belíssimas também, mais rústicas e podem ser muito mais tranquilas. Todas elas podem ser perfeitamente combinadas com a rota do vinho! Aguarde que ainda vamos falar sobre a rota e também sobre cada uma delas!

Se quiser unir o passeio a uma viagem de bicicleta, leia também como foi nossa experiência na EuroVelo 6, ciclovia que atravessa vários países e tem na Alsácia um belo trecho! Temos outros textos também sobre trilhas em Thann, além de cidades próximas em outros países como Basel, na Suíça.